Participantes do Caminho do Sol que estiveram presentes no Haras do Mosteiro.



Leandro e Neuzeli Nantes

"Em relação ao caminho, ainda estamos em estado de graça por tudo q vimos q aprendemos, pelas pessoas q conhecemos, pelo acolhimento de todos q nos receberam pelo caminho, é difícil d s expressar o quanto somos gratos a todos.
 
A primeira vez q fiquei sabendo do Caminho do Sol, ñ m lembro s foi em jornal, TV ou revista, sei q fiquei muito interessado, mas nunca imaginei q eu um dia iria fazer, ainda mais com minha esposa q na ocasião ñ s interessava muito por bike, mesmo assim sempre m apoiando em trilhas q eu fazia.
 
Passaram muitos anos e sempre q via uma reportagem, um depoimento e fotos d quem já havia feito o Caminho do Sol, eu ficava sonhando, conheci lugares fantásticos d bike, até q um dia minha esposa me falou q queria fazer o Caminho do Sol comigo, ou melhor, iria fazer! Achei q era conversa, montamos mais uma bike e começamos a treinar juntos, mas devido à idade das nossas filhas, acabou esfriando, e aquilo q tínhamos programado p dois anos  mais tarde fazermos juntos (final d 2010) achei  q tinha ido por água abaixo.
 
Faltando uns quatro meses p a data programada, eu já nem tocava mais no assunto, ela chega a mim e fala, vamos fazer nossa viagem d bike, achei q era muito tarde p começar a treinar, depois d quase um ano q ela ficou sem fazer trilhas, já no primeiro sábado q andamos fiquei animados com seu desempenho, andamos todos os sábados com chuva, sol e vento, pesquisamos o q levar, quanto e como levar,  fizemos a inscrições, e só realmente acreditei q seria realidade quando já estávamos em Santana de Parnaíba, ai ñ tinha, mas jeito era encarar nossos dezafio de frente sem medo.
 
Já no primeiro dia saímos d baixo d chuva e a qual nos deu somente alguns minutos de trégua, a primeira parte q é d asfalto achamos meio perigoso, mas tínhamos q passar, passando pelo Armazém do Limoeiro comemos o famoso lanche d mortadela q realmente é imperdível, em nossa primeira pousada (Haras Mosteiro), fomos muito bem acolhidos, com mais um lanche muito especial, e uma janta maravilhosa, com direito a frango caipira e tudo mais, no dia seguinte partimos depois d um farto café da manhã, sem chuva com um pouco d vento, sol .
 
Passamos um dia muito quente, pernoitamos na Fazenda Milha acordando de madrugada com uma forte chuva, saímos bem cedo como de costume, e mais um dia muiito quente, já quase chegando na próxima Pousada em Monte Branco, quem encontramos com umas garrafinhas de água gelada, Jesus,  o dono da Pousada, chegando em Monte Branco fomos recebidos com um delicioso suco de acerola oferecido por sua esposa, mais uma noite, e pé na estrada, chegando em Águas de São Pedro na casa de São Tiago com um certo cansaço devido ao forte sol que nos acompanhou durante todo o trajeto, veio a satisfação de missão comprida, sem si quer um pneu furado.

Agradecemos a todos que de certa formas no ajudou durante todo o caminho, a minha família que sem ela não seria possível  estar realizando nosso sonho e principalmente a Deus, que nos guiou desde o início de nossa trajetória."

Leandro 
Neuzeli