A CAVALGADA DA MINHA CAMINHADA


Seguindo a ordem natural do ser humano, na medida em que vamos adquirido maturidade com o passar dos anos e não simplesmente envelhecendo, me deparei com um bom momento em minha vida, em especial descobrindo novos caminhos e valores, fazendo com que eu me sinta mais vivo e cheio de propósitos, resultando-se em uma vida mais prazerosa e alegre.

Recentemente, realizei uma caminhada (“peregrinação” – como afirmam outras pessoas) que, diga-se de passagem, foi indescritivelmente algo ímpar em minha vida, tendo em vista que revi valores, repensei em tudo que já fiz, tracei novas metas e objetivos, isso sem considerar a energia positiva que adquiri (se eu pudesse ilustrar, diria que foi maior do que de uma usina hidrelétrica).



Nesta caminhada, dentre todo o roteiro traçado, acabei por ficar hospedado em um haras – Haras do Mosteiro de Itu/SP, oportunidade em que conheci o Luís Sinisgalli – o qual tive o prazer de conversar naquele momento da caminhada e senti extrema empatia pela sua pessoa e a forma simples e humilde da qual me tratou, e ali, conheci a incrível criação de Cavalos da raça Campolina, bem como os eventos mensais que eram produzidos. 

E aqui chegamos ao ponto principal deste texto. 

O Haras Mosteiro de Itu/SP organiza todo mês uma cavalgada pela região, tendo como finalidade de cultivar as amizades cumulada com o prazer de cavalgar. Sabendo de como era toda a organização e os eventos em si, fiquei maravilhado pelo que vi e prometi a mim mesmo: Na próxima cavalgada estarei presente! 

Aqui, abro um parente-se para declarar toda a paixão que sinto pela vida no campo. Desde pequeno fui criado neste meio, uma vez que minha família sempre teve propriedade rural e criação de ovelha e gado, portanto, era habitual eu levantar pela manhã para cavalgar na lida do gado. 

Só quem viveu isto sabe o quanto é bom este estilo de vida e se por um ou outro motivo deixou de viver, sabe o quanto sentimos saudades destes momentos inesquecíveis, que, sem dúvida nenhuma, influenciam e muito na personalidade e característica da pessoa. 

Bem, retomando ao Mosteiro de Itu/SP, passado um mês, comecei a receber e-mails informativos com datas das próximas cavalgadas. Infelizmente, não confirmei há tempo a minha participação e acabei ficando impossibilitado de participar, uma vez que não havia mais animais disponíveis. Entretanto, como havia prometido a mim mesmo, de imediato já agendei e confirmei a minha presença no próximo evento. 

Na véspera do grande dia, a tão esperada cavalgada, choveu muito e já comecei a ficar preocupado de como seria o evento, se a chuva atrapalharia ou não. Entretanto, para minha alegria, no dia seguinte o dia estava perfeito – típico dia de verão, então, logo pela manhã tirei meu chapéu da caixa, coloquei minhas botas e para lá fui, todo animado para o dia tão esperado. Quando da ida ao Haras, optei pelo caminho mais longo, o que coincidia com o caminho realizado há época da minha caminhada. Confesso que, ao percorrer de carro o mesmo caminho que realizei pela primeira vez a pé, fiquei muito emocionado, pois se tratava de um momento muito marcante em minha vida. 

Quando cheguei ao Haras, fui muito bem recebido pela Renata - esposa do Luís e eu literalmente já estava no clima da cavalgada, o ambiente era tão acolhedor que quando me sentei na recepção era como se estivesse em minha casa e que as pessoas já era amigos de época. 

Muitos defendem a ideia que as pessoas emitem energias – positivas e negativas, e ali naquele evento, a energia de todas as pessoas presentes era enlouquecedora, simplesmente fantástica, de uma humilde em todos os aspectos.



Já quanto aos animais, sempre gostei e admirei animais equinos, em especial os cavalos de raça Campolina, e ali estavam todos os participantes preparados, com olhares cheios de presença e de uma suntuosidade que contagia qualquer pessoa. 

Iniciada a cavalgada, optei por ficar atrás do pelotão, pois a visão ficava mais bonita, vendo toda aquela linda paisagem acrescida dos cavaleiros marchando. Nesse sentido, só quem já presenciou isso sabe como é a fantástica a sensação de liberdade e como é maravilho o contato com a natureza, e principalmente a sintonia da relação cavalo – homem e vice e versa. 

O interessante de tudo isto, é que todas as pessoas estavam em sintonia, o que acredito ser pelos mais diversos motivos que todos compartilham: paz, alegria, entretenimento, liberdade etc. 

Após mais de 3 horas de cavalgada, achei que pelo tempo que não andava a cavalo iria estar bastante “quebrado”, mas para minha surpresa estava “inteiro”, isto vem de encontro com aquela frase que diz: é igual a andar de bicicleta, você não esquece nunca, cavalgar também é assim. 

Finalizando o evento, retornarmos ao Haras e ali nos foi oferecido um agradável almoço de campo, sendo certo que as conversas e as brincadeiras saudáveis entre os participantes continuavam no mesmo ritmo em que começaram – de festa. 

Bem, esta foi a minha experiência de um dia maravilhoso, o qual sai convicto de que a cavalgada organizada pelo Haras do Mosteiro – Itu/SP, de agora em diante, será um compromisso obrigatório em minha vida, como assim está sendo a caminhada, pois o bem que fez a mim e ao meu coração fez valer todo e qualquer obstáculo que surgiu. 

Inclusive me surgiu a seguinte ideia, que com certeza compartilharei com o Luís: Por que não realizar o trajeto do Caminho do Sol a cavalo ao invés de ser a pé? 

Por fim, agradeço ao Luís e a Renata – responsáveis pelo Haras Mosteiro – Itu/SP, pelo bem estar que me proporcionaram e a hospitalidade aos meus amigos e familiares.

Agora é esperar até a próxima cavalgada!

09 de Fevereiro de 2015
José Roberto Castanheira Camargo


Home / Voltar